Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Procissão a Nossa Senhora das Dores de Monte Gordo

por Ricardo Braz Frade, em 08.05.12

Apesar da festa durar praticamente cinco dias inteiros, todos dão especial atenção a um em específico. No segundo Domingo de Setembro, Monte Gordo faz uma procissão, pela vila e areal adentro, à santa padroeira dos pescadores da terra, Nossa Senhora das Dores. As embarcações engalanam-se como deve ser para este evento, e a praia enche-se de Monte-gordinos numa cerimónia que termina na igreja da vila, com fogo de artifício a iluminar a imagem da santa. Existem, para além da Santa, outras imagens sacras a serem carregadas pelos habitantes da vila. Por vezes, aquando da passagem da procissão pela praia, alguns pescadores esquecem as buzinas que tocam e os foguetes que lançam para lá da rebentação, saltam dos seus barcos, e a nado aproximam-se da Senhora das Dores de quem recebem uma flor que está guardada sob o seu manto, voltando depois para as embarcações e guardando atenciosamente a flor dada. Sendo manifestamente religiosa, conta também com corridas entre embarcações, realização de jogos tradicionais e concertos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:26

Parque Natural da Ria Formosa

por Ricardo Braz Frade, em 07.05.12

Desde o Ludo, perto de Loulé, até Cacela Velha, aldeia histórica no concelho de Vila Real de Santo António, estende-se este parque ao longo de 60 quilómetros paralelo à linha da costa algarvia. Trata-se, não exactamente de uma ria, mas de um sapal ou laguna, já que a sua origem não está na existência de um vale fluvial como as rias exigem, mas sim de uma barreira de ilhas que a separa do mar. Parte dela está sempre submersa, mas outra está sujeita às vontades das marés, podendo vir à superfície na baixa-mar. Caracteriza-se pela acumulação de sedimentos que coloca o nível dos fundos mais alto do que seria normal esperar. A laguna que se forma, protegida do Oceano por cordões de dunas, goza de grande diversidade faunística (com grande destaque para a avifauna) e florística entre as suas cinco ilhas arenosas e duas línguas peninsulares. Preserva tesouros da natureza animal como algumas aves migratórias vindas do Norte da Europa que aqui passam ou procuram um Inverno mais suave (o pato-real,a piadeira, o pato-trombeteiro, o marrequinho, o borrelho de coleira interrompida, a tarambola-cinzenta, o fuselo, o maçarico-de-bico-direito, o maçarico-real, o alfaiate, o perna-longa, o pilrito-pequeno e o pilrito-comum) ou símbolos do parque (como é a galinha-sultana, a garça-branca-pequena ou a cegonha-branca), ou ainda algumas aves de rapina que no inverno usam a Ria Formosa como zona de caça (vários taranhões, a águia-de-asa-redonda, falcões como o falcão-peregrino, ou outras, nocturnas, como a coruja-do-nabal ou a coruja-das-torres). A importância da ria é também económica já que a maioria desta população lá trabalha, na pesca do robalo, do sargo, da dourada e do linguado; na mariscagem; e na moluscicultura - os bivalves, como a ostra, o berbigão, o lingueirão ou as amêijoas, são predominantes por aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08

Túmulo megalítico de Santa Rita

por Ricardo Braz Frade, em 07.05.12

Com cerca de 5000 anos, o túmulo situa-se nas imediações da aldeia de Santa Rita, no extremo sudeste português, junto a Vila Real de Santo António. É constituído por um corredor e uma câmara funerária onde foram identificados, aquando das escavações, oferendas que acompanhavam os mortos na sua viagem para a imortalidade - colares, vasos de cerâmica ou mesmo lâminas. Está, como é comum nestes casos, orientado para nascente (de onde nascem os astros) alinhando assim os mortos com esse ciclo inacabável do nascer e do renascer. É hoje usado para festejar algumas festividades cíclicas como Equinócios e Solstícios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:00

Sete saias

por Ricardo Braz Frade, em 02.05.12
Diz-se que a mulher Nazarena usa sete saias por cima de si. A magia do número sete está presente por folclores do mundo inteiro, sendo frequente que seja simbólico das sete virtudes, das sete cores do arco-íris, dos sete dias da semana, das sete notas musicais e, no caso da Nazaré, das sete ondas do mar, tratando-se de uma vila com uma ligação quase vital ao Atlântico que lhe molha os pés.É ainda incerta a origem do uso de tal número de saias embora pareça existir uma função óbvia: a Nazarena passava bastante tempo na praia à espera do seu marido que se fazia ao mar alto para a pesca, e, durante esse período de tempo, serviam as saias como cobertores para todo o corpo - as de cima cobriam a parte superior do corpo, as de baixo a parte inferior.Outras opiniões existem, algumas com o seu quê de pitoresco, como a de servirem para se contarem as ondas do mar. É aceite pelas gentes da costa que as ondas vêm às sete de cada vez, e a partir daí tudo acalma até sete novas vagas surgirem de novo. Assim, as Nazarenas, para não se enganarem na contagem, tinham as sete saias como auxiliares de memória, de forma a que soubessem qual a melhor altura para entrar no mar.O conjunto é composto por uma saia branca, por baixo, e por cima desta várias outras de tecido claro debruadas a crochet.É mais ou menos certo que este costume surgiu por altura do Estado Novo (algures entre a década de 1930 até 1960) e que foi continuado desde então.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:12


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

subscrever feeds



Analytics